Bolos Receitas

Bolo de Banana com Castanhas

Vou contar para vocês, eita letrinha para dar trabalho (com isso meu conhecimento aumentou muito também, rsrs), primeiro escolhi um pequeno país da África, Djibuti, mas a culinária não me agradou, fui para a Republica Dominicana, mas não era o que queria… (Nesse momento já queria Dominica, pequena ilha do Caribe, mas não achava de forma alguma receitas de lá, mesmo já sabendo que toda essa faixa do Caribe tem influência forte da cozinha francesa e africana. O que se via muito era Frango da Montanha, mas é rã e não frango… Dinamarca não era meu alvo. Pronto, acabaram-se os países com a letra D.

Então mostrei para o maridão as opções de receitas que gostei da Republica Dominicana, não gostou de nada.

E eu ainda encasquetada com a bendita Dominica.

Não contente, fui pesquisar mais, fiquei horas e horas na frente do pc, enfim eis que achei um site que possui receitas de todos os países do Caribe, ufa, achei, pensei comigo, não são muitas específicas não e a maioria não temos alguns ingredientes por aqui.

Gostei de um bolo de banana, mas era com amendoim, não gosto de amendoim em doces! E agora o que fazer?

A saga continua…rsrsrs.

Então pensei, vou trocar o amendoim por castanha, aí fica tudo certo.

Sheilinha, me perdoe, não é a receita original, mas queria, porque queria esse país.

Me encantei por esse país de uma tal forma, mas também, quando mais abaixo vocês verem as fotos e ainda tiverem paciência de ler um pouco sobre ele valerá a pena.

Agora o comentário do bolo não?? Rsrsrsrs….

Um sabor marcante, a casquinha fica crocante por ser a forma untada com açúcar e canela, muito diferente, nunca tinha provado com bolo de banana com açúcar mascavo. Creio que exótico seria uma boa descrição ao meu paladar.

Ingredientes:
2 ovos inteiros
2 ícaras (chá) de açúcar mascavo
1 colher (chá) de canela em pó
1 xícara (chá) de óleo vegetal
2 xícaras (chá) de farinha de trigo
1 colher (café) de bicarbonato de sódio
1 colher (chá) de fermento em pó
4 bananas-prata picada
1 pires de castanha-do-pará picadas grosseiramente.

Modo de preparo:

Bata os ovos ligeiramente e, em seguida, acrescente o açúcar, o óleo, a farinha, a canela, a banana picada e as castanhas.Misture bem os ingredientes, pois a massa deve ficar com uma consistência bem pesada. Depois, adicione o bicarbonato e o fermento e misture delicadamente.Leve ao forno médio em forma untada e polvilhada com açúcar e canela e deixe assando por aproximadamente 50 minutos.

Receita by Cozinha Pequena

DOMINICA

A ilha caribenha que Colombo descobriu em 3 de novembro de 1493 – chamada Dominica por ser esse dia um domingo – tornou-se um estado independente em 1978, depois de 485 anos de conflitos. Dominica fica no Caribe oriental, no grupo das Pequenas Antilhas, entre as ilhas francesas de Guadalupe, ao norte, e Martinica, ao sul. É banhada a leste pelo oceano Atlântico e a oeste pelo mar do Caribe. Ocupa uma superfície de 750km2, com um comprimento de 47km de norte a sul e largura máxima de 26km.Dominica é uma ilha de origem vulcânica, percorrida de norte a sul por uma cadeia de montanhas que tem como ponto culminante o pico Morne Diablotin, com 1.447m de altitude. A cordilheira é cortada por uma planície regada pelos rios Layou, que desemboca no mar do Caribe, e Quanery, que deságua no Atlântico. A atividade vulcânica parece extinta, mas ainda se manifesta nas fontes de águas termais e sulfurosas.O clima é tropical úmido e quente, com invernos brandos de dezembro a janeiro, uma estação seca de fevereiro a maio e outra chuvosa de junho a outubro, quando ocorrem furacões.

As temperaturas oscilam entre 25,5 e 32 C. As precipitações são abundantes e irregulares, especialmente fortes no interior montanhoso. A vegetação, definida pelo ambiente climático, consiste numa floresta tropical típica, cujo crescimento é favorecido pelos ricos solos vulcânicos.A maior parte da população é de origem africana, mas foi intensa a mestiçagem com europeus. Há pequenos grupos de origem européia e asiática, bem como índios caraíbas. A língua oficial é o inglês, embora também seja muito usado um dialeto local, que consiste numa mistura de francês com elementos africanos.Nas últimas décadas do século XX, Dominica apresentou acentuado crescimento demográfico, resultante da alta taxa de natalidade, combinada com redução da taxa de mortalidade, o que conferiu um perfil muito jovem à estrutura demográfica. A população se distribui principalmente nas áreas rurais, embora haja cidades importantes, como Roseau, a capital, e Portsmouth.País eminentemente agrícola, Dominica produz frutas cítricas, banana e coco, produtos que, juntamente com sucos, constituem a maior parte da pauta de exportação. A pequena indústria do país se limita à transformação de produtos agrícolas e da pesca. A pedra-pomes é o único recurso mineral do país.As condições naturais – ambiente tropical e clima ameno – favorecem o turismo.Quanto aos transportes e às comunicações, destacam-se os portos de Roseau e de Portsmouth e os aeroportos de Melville Hall e de Canefield. A ilha dispõe de rodovias, mas não de rede ferroviária.

Publicam-se alguns jornais e há emissoras de rádio e de televisão.Os aruaques, primeiros habitantes da ilha, foram expulsos pelos caraíbas antes da chegada de Colombo, em 1493. Depois da descoberta, os espanhóis entraram em luta com os indígenas e quase os dizimaram.Por ser difícil o acesso a seu litoral escarpado, Dominica foi uma das últimas ilhas a serem exploradas pelos europeus. Ao longo dos séculos XVII e XVIII, britânicos e franceses lutaram por seu domínio. Pelo Tratado de Aachen de 1748, a Grã-Bretanha e a França reconheceram a neutralidade da ilha, ocupada posteriormente pelos franceses até 1763, quando, pelo Tratado de Paris, passou ao domínio britânico. Após nova ocupação francesa, Dominica passou, em 1805, à condição de possessão do Reino Unido.Devido a sua situação geográfica, a ilha integrou-se, alternadamente, às divisões administrativas correspondentes às colônias britânicas de Sotavento e de Barlavento, até que em 1958 passou a fazer parte da Federação das Índias Ocidentais, dissolvida em 1962. Em 1967 Dominica tornou-se um estado associado ao Reino Unido, sob cujo estatuto ganhou autonomia interna, ficando as relações exteriores e a defesa em mãos da metrópole.

A ilha tornou-se independente em 1978, quando adotou o sistema republicano e uma constituição. Dominica é uma república. O poder legislativo é exercido por uma assembléia formada por 21 representantes eleitos a cada cinco anos e dez não-eleitos. A assembléia elege o presidente da república, que por sua vez nomeia o primeiro-ministro. Votam os maiores de 18 anos.Administrativamente, Dominica divide-se em dez províncias. Com a independência, passou a fazer parte da Comunidade Britânica de Nações, da Organização das Nações Unidas, da Organização dos Estados Americanos e da Comunidade do Caribe.A religião predominante é a católica, seguida pela protestante, em suas várias denominações.

Fonte:http://www.emdiv.com.br/pt/mundo/asmaravilhas/1234-dominica-caribe.html

Mais sobre Dominica: http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/dominica/dominica.php

33 Comments

  1. Aninha!!!
    Minha amiga… eu também queria muito uma receita do Djibuti… pesquisei por horas e nada.. nada me agradou.. fiz essa mesma peregrinação srsrsrsrs
    Olha que foi difícil essa tal de letra "D" rsrsr
    Mas esse bolo tá demais minha amiga..
    Hummmmmmm que delícia..
    Tenho a leve impressão de que vi um bolo parecido com esse em algum lugar srsrs

    Eita amiga que essa viagem tá demais né??
    Eu estou amando…

    Minha amiga Margarida também arrasou.. estávamos nós duas lá na Dinamarca.. só de conversê… rsrsrsr

    Um beijo e vamos ver o que mais teremos..

    Sheila

  2. QUERIDA ANA CLAUDIA,
    ESTE POST LHE DEU UM TRABALHINHO MAS COMPENSOU, FICOU
    TUDO PERFEITO!
    AGORA ESTE BOLO FICOU DE TIRAR O CHAPÉU, RECEITA ANOTADÍSSIMA
    UMA MISTURA DE SABORES PERFEITA, ADORO O CHEIRINHO DA CANELA JUNTO
    COM A BANANA…..HUMMMMM!

    BEIJINHOS

  3. Este bolo realmente é mesmo exotico, nossa fiquei com agua na boca so de pensar em passar a forma com canela, canela é tudo de bom mesmo!!! e essa combinaçao com a banana.. hummmmmmmmmm delicia!!! Vou ter que fazer, anotei a receita, vou é usar castanha de caju, aqui nao tem do Pará!!!

    Beijocas

  4. Oi Claudia,
    Vou te falar uma coisa muito importante:
    – ADORO O SEU CANTINHO!!!! Arrasou na Postagem e na Receita.
    Vou fazer parte do seu cantinho tá?

    Beijos no Coração e uma LINDA Semana!!!
    Andrea

  5. Amei esse bolo. Realmente o seu sabor deve ser bastante exótico e por isso mesmo deve ser uma delicia 🙂
    Lindo post… adorei saber mais pormenores sobre essa ilha paradisíaca 🙂
    Não me importava nada de passar férias lá rsrsr

    Bjs

  6. Ana Cláudia,
    Valeu a pena todo o tempo que gastaste a pesquisar e a fazer esse bolo maravilhoso.
    Adorei a informação, pois o saber nunca é demais e não ocupa lugar, bem pelo contrário.
    Quanto ao bolo deve ser uma delícia.
    Parabéns!!
    Beijinho

  7. Hoje viajei nas receitas das amigas, encontrei muitas delicias, e aprendi muito da culinaria Dinamarquesa, esse bolo ficou lindo, e valeu a pena as horas de pesquisa, gostaria com amendoim também, mas com castanhas devo dizer que ficou muito melhor. Deliciosa receita, lindas as fotos e texto super esclarecedor. Adorei amiga. Beijinhos

  8. Eu sempre digo, uma pesquisa bem feita só nos dá prazer e sempre acabamos encontrando o que procuramos e até muito mais.
    Ficou muito apetitoso seu bolo…banana e açúcar mascavo são perfeitos juntos>
    Bjuss!!!

  9. Oi, Cláudia,

    Esta blogagem coletiva está sendo muito divertida (e instrutiva! rsrs). gostei de saber
    mais sobre Dominica, rsrs. Já o bolo … que tentação a imagem é super apetitosa!

    Beijo e boa noite

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *